Dados da cidade de Mafra - Santa Catarina

História Dados gerais Como chegar Mapa Atrativos Guia de empresas Telefones úteis

Hino da cidade Brasão e bandeira Prefeitura Lista de prefeitos Câmara Municipal Vereadores

  • Brasão e bandeira da cidade de Mafra

    Clique nas imagens para visualizá-las em tamanho maior.

  • Hino da cidade de Mafra

    Utilize o player abaixo para ouvir o hino.

    Composição: Elzeário Schmidt

    Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

    Minha terra de um sonho nascida.
    Perfumada de sol e fulgor,
    Mafra, Mafra, do céu escolhida,
    és meu berço orvalhado de flor.

    Desde o azul de meus sonhos de infância,
    o Rio Negro me conta tua história, e
    os pinhais, e os ervais em fragrância,
    balizaram tuas sendas de glória.

    Do Brasil no progresso integrada,
    és colméia de luz na colina;
    marchas firme na imensa arrancada
    que esta Pátria a seus filhos destina.

  • Telefones úteis

    Lista de telefones das principais utilidades públicas.

    Água e Esgoto – 0800-6430195

    Celesc – (47) 3641-5000

    Casan – (47) 3642-0169

    Ambulâncias - 192

    Corpo de Bombeiros – 193

    Hospital de Mafra – (47) 3642-3681

    Maternidade de Mafra - (47) 3641-4800

    Defesa Civil – 199

    Delegacias especializadas no atendimento à Mulher – 180

    Delegacia de Polícia – (47) 3642-0123

    Disque-Denúncia – 181

    Polícia Civil – 197

    Polícia Federal - 194

    Polícia Militar – 190

    Polícia Rodoviária Federal – 191

    Prefeitura – (47) 3642-3811

    Terminal rodoviário – (47) 3642-4334

    Receita Federal - (47) 3642-4204

    Procon – 151 / (47) 3642-4378

    Fórum – (47) 3641-4200

    Emergência Elétrica – 0800-480196

    Ibama – 0800-618080


    Pontos de taxis:

    Correio de Mafra – (47) 3642-1695

    Ponte Metálica – (47) 3642-1958

    Hospital de Mafra – (47) 3642-0104

    Praça Hercílio Luz – (47) 3642-1758

    Praça dos Bancos – (47) 3642-0392

    Praça Lauro Müller – (47) 3642-1358

    Rodoviária – (47) 3642-7958

  • Localização e principais distâncias

    Mafra é um município brasileiro do planalto norte do estado de Santa Catarina. Localiza-se a uma latitude 26º06'41" sul e a uma longitude 49º48'19" oeste, estando a uma altitude de 793 metros a 310 km da capital Florianópolis e a 105 km de Curitiba, capital do estado do Paraná.

    Blumenau (SC): 182 km
    Brasília (DF): 1491 km
    Chapecó (SC): 387 km
    Criciúma (SC): 458 km
    Curitiba (PR): 105 km
    Florianópolis (SC): 310 km
    Joinville (SC): 135 km
    Lages (SC): 252 km
    Porto Alegre (RS): 589 km
    São Paulo (SP): 519 km

  • Dados gerais

    Principais informações da cidade de Mafra.

    A população de Mafra, segundo censo feito pelo IBGE em 2013, era de 54.708 habitantes. Suas principais atividades econômicas são a agropecuária e indústria, além de ser um importante entroncamento rodoferroviário na região. Possui uma área de 1.406 km², que representa aproximadamente 1,47% da área total do estado; é o 4º maior município em extensão territorial de Santa Catarina (o 1º é Lages, com 2.645 km², o 2º é São Joaquim, com 1.888 km², e o 3º é Campos Novos, com 1.850 km²).

    Mafra é considerada cidade pólo do planalto norte de Santa Catarina. Classificada pelo Atlas de Regiões de Influência das Cidades 2007, publicado em 2009 pelo IBGE, como um centro sub-regional B.

    Ameríndios: Kaingang e xokleng
    Européias: alemã, polonesa, italiana, portuguesa, ucraniana, tcheca, bucovina
    Asiática: japonesa.
    Oriente Médio: libanesa, síria, turca.

    O município de Mafra apresenta um relevo de planalto, com colinas de pequena amplitude altimétrica, formando uma superfície regular, quase plana. Mafra possui uma altitude média de 800 metros do nível do mar.

    A vegetação do município é classificada como “Floresta Ombrófita Mista”, mais conhecida como “Mata de Araucárias”, onde predomina o conhecido pinheiro-do-paraná, cuja espécie está desaparecendo diante da expansão de fronteiras agrícolas e a exploração madeireira. Juntamente com o pinheiro-do-paraná, existem outras espécies vegetais, onde se destacam principalmente a canela, a imbuia, a sapopema, a bracatinga e a erva-mate.

    Mafra localiza-se na Bacia do Iguaçu, cujo principal rio do município é o rio Negro, na divisa de Santa Catarina e Paraná. Outros rios que deságuam no rio Negro são: rio Preto, na divisa com o município de Rio Negrinho, rio da Lança (o maior rio inteiramente mafrense), o rio Negrinho, o rio São Lourenço (onde está instalada a Usina Hidroelétrica São Lourenço, em operação desde 1914, com potência instalada de 0,48 MW), o rio Ribeirãozinho, o rio Butiá e o rio São João, este já na divisa com o município de Três Barras.

    O clima de Mafra está classificado como “subtropical úmido mesotérmico”. Subtropical porque possui temperaturas com médias entre 15 °C e 30 °C; Máxima temperatura em torno de 32 °C , e a mais baixa em torno de 1 °C, é mesotérmico porque as temperaturas registradas na cidade estão pouco distantes das registradas nas regiões mais quentes e também das registradas nas regiões mais frias do planeta. A umidade relativa normalmente fica acima de 85%, principalmente no vale do Rio Negro, onde a taxa de umidade é bem maior.

    Mafra desta-se muito na agricultura, tanto em produção quanto em produtividade, tudo isso devido a grande área do município possui, e à fertilidade do solo. A maior produção ocorre com as culturas de soja, milho, feijão, trigo, cevada e fumo. Há que destacar também, a produção de mel, cuja qualidade é reconhecida internacionalmente. Na pecuária o destaque fica com a avicultura, suinocultura, e o rebanho de gado leiteiro.

    A silvicultura também é expressiva no município, sobretudo nas últimas décadas, contribuído com matéria-prima para a indústria madeireira, diminuindo assim a pressão pela exploração de áreas de mata nativa.

    O município possui um parque industrial diversificado, sendo a de maior importância a indústria madeireira. Além deste, há indústrias no setor cerâmico (revestimentos), curtumes, têxtil, metalúrgica, minerais não metálicos e alimentícia.

    Mafra é muito forte neste quesito, como o comércio varejista e a prestação de serviços, sobretudo nos serviços públicos, o qual possui muitos representantes de órgãos do governo federal (Receita Federal, Ministério Público Federal, Justiça Federal, Polícia Federal, INSS, DNIT entre outros) e estadual (receita Estadual, Regionais de Secretaria de Estado, FATMA, CIDASC, Varas da Justiça (Civil, Criminal e do Trabalho), CELESC, CASAN entre outros).

    Na cidade existem também 7 agências bancárias (CAIXA, Banco do Brasil, BESC, HSBC, Bradesco, Itaú, Credinorte) que prestam os mais diversos serviços na área financeira. Além destes bancos, Mafra foi uma das primeiras cidades do país a receber uma Agência do Banco Nacional da Agricultura Familiar – BNAF, que tem como objetivo facilitar o acesso ao pequeno produtor rural à tecnologia no uso de sementes e mudas, à qualificação do plantel pecuário, além de repasse de informações para o gerenciamento de pequenas propriedades.

    O município de Mafra é um importante entroncamento rodoferroviário na região, servida pela BR 116, BR 280 e a ferrovia da ALL, antiga RFFSA. Existe também um aeroporto de administração municipal no Bairro do Faxinal, também conhecido como Aeroporto Hugo Werner.

    Mafra conta ainda com uma universidade (UnC), um hospital (Hospital São Vicente de Paula), e uma maternidade (Maternidade Dona Catarina Kuss) esta, devido ao bom serviço prestado, foi a primeira maternidade do sul do Brasil a ser reconhecida pela UNICEF com o título de “Amiga da Criança”.

    Noroeste: Antonio Olinto (PR)
    Norte: Rio Negro (PR)
    Nordeste: Rio Negro (PR) e Piên (PR)
    Oeste: Três Barras (SC)
    Leste: Rio Negrinho (SC)
    Sudoeste: Papanduva (SC)
    Sul: Itaiópolis (SC)
    Sudeste: Rio Negrinho (SC)

    Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

  • Mafra 98 anos: Uma história e um futuro

    Costuma-se dizer que a data de aniversário é um momento de reflexão, ocasião onde fatos são relembrados e analisados, de forma que novas metas possam ser traçadas, assim como as ações que nos levarão a atingí-las, ou seja, aniversário é momento no qual se avalia o passado e planeja-se o futuro, para que o presente, vivido a cada dia, possa nos conduzir aos nossos objetivos.

    Sei que quando trata-se do aniversário de uma cidade, por ela representar algo tão grande e diverso, talvez o fato possa parecer de pouca importância, uma coisa que parece merecer deferência mais pelo caráter cívico do que pelo afetivo, ou seja, um festejo impessoal, coletivo e frio.

    Acredito porém, que o aniversário de uma cidade, da nossa cidade em especial, pode ser visto por outro ângulo, sob uma ótica que ao invés de conceber o fato como algo coletivo e impessoal, pode ser encarado pelo caráter agregador da coletividade, pois o município não representa apenas um nome e uma bandeira, mas algo maior, simboliza um o elo que une  milhares de pessoas pelo fator comum que é a todas elas, transcendendo  um mero escudo e território, consistindo em referência direta a toda sua população, seja do passado e quanto do presente.

    Então entende-se que o município, que Mafra, é a representação de todos nós, pois esse nome e essa bandeira em verde, branco e vermelho representa todos aqueles que vivem, trabalham, estudam ou que de qualquer outra forma buscam nesta terra, tornar real aquilo que tem por sonhos e esperanças.

    Portanto o aniversário de Mafra é um momento de reflexão coletiva, do que fizemos e queremos para o nosso futuro e que, como Mafra é o símbolo comum, que une a todos nós, são as nossas ações que fazem dela o que é e o que será, estando assim o futuro nas nossas mãos de cada mafrense.

    A síntese de uma longa história

    Foi sobre o lombo dos cavalos dos tropeiros, que conduziam gado e muares do Rio Grande do Sul às feiras de Sorocaba, que Mafra surgiu em seu elemento inicial. De pedaço de sertão habitado por índios, de caminho das tropas rasgado pela Estrada da Mata e, sob o olhar atento do Barão de Antonina, que a nossa história começou a ser escrita.

    Colonizada por imigrantes alemães vindos da cidade de Trier em 1829, este chão, anos depois foi ponto de partida de militares à Guerra dos Farrapos, época em que a “peste” disseminada pelos soldados, ceifou mais de 2.000 vidas em nossa terra, levando a uma desolação só confortada pelas orações e cruzes erguidas por obediência aos conselhos do Monge João Maria, colocadas entre a capela e o rio Negro em 1856.

    A exemplo dos alemães, Mafra acolheu colonos da distante Província Bucovina no Império Austro-Húngaro, antes de tremer com o rugir dos canhões de Pica-Paus e Maragatos e, arder sob os tiroteios travados pela disputa pela passagem pela balsa sobre o rio, durante a Revolução Federalista. Sendo na seqüência, tomada pelos revolucionários gaúchos para depois ser marcada pelas degolas promovidas pelo exército republicano.

    Esteve em meio a disputa entre Santa Catarina e Paraná na questão do Contestado, viu-se envolvida pela guerra, na qual sofreu a incursão de bandoleiros e colocou-se à disposição das tropas de cerco do General Setembrino de Carvalho, participando inclusive de combates, por meio do batalhão do Coronel Nicolau Bley Netto.

    Mas então, a 8 de setembro de 1917, após o acordo de limites que pôs fim à questão do Contestado, que Mafra nasceu como município, passando com isso a dirigir-se e a seguir caminho próprio, agora de forma independente, porém sempre próxima da cidade irmã de Rio Negro.

    Mafra foi marcada pelo cultivo da erva-mate, pela perda do território que forma hoje o município de Itaiópolis, pelo transporte de cargas e passageiros através de embarcações pelo rio Negro, pela participação de vários mafrenses na 2ª Guerra Mundial, integrantes da Força Expedicionária Brasileira, pela construção da estrada de ferro e das rodovias BR 116 e BR 280.

    Sempre com uma vida política muito agitada, Mafra acompanhou e participou de muitas das principais mudanças ocorridas no cenário político brasileiro, como toda a movimentação ocasionada por ocasião de Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao Poder e que encontrou aqui voluntários que compuseram o Batalhão Patriótico do Coronel José Severiano Maia.

    Mafra compartilha com seus mais de seus 50.000 habitantes e tanto outros que aqui trabalham ou estudam, um passado fascinante, repleto dos mais variados acontecimentos e personagens, história que pertence a cada mafrense, a quem cabe escrever os próximos capítulos dessa trajetória.

    Manoel da Silva Mafra

    Quem é o Conselheiro que empresta seu nome ao nosso município

    Mais do advogar em favor de Santa Catarina na questão do Contestado, Manoel da Silva Mafra, o homem que empresta seu nome a nossa cidade, teve uma trajetória profissional intensa, marcada por sua atuação jurídica e política:

    Nascido em 12 de outubro de 1831 em Florianópolis-SC, Manoel era filho de Marco Antônio da Silva Mafra e Maria Rita da Conceição Mafra.

    Bacharelou-se em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1855, sendo Promotor Público de São José entre 1855 e1857, Juiz Municipal e dos Órfãos em Florianópolis, advogou no Rio de Janeiro, foi Juiz de Direito em Pernambuco, Paraná e em Minas Gerais;

    Foi Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina por 05 legislaturas (13ª, 17ª, 19ª, 22ª e 25ª), Presidente da Província do Espírito Santo de 1878 a 1879 e Ministro da Justiça em 1882, quando passou a ser conhecido por “Conselheiro Mafra”;

    Foi ainda Juiz do Tribunal Civil e Criminal no Rio de Janeiro, função na qual passou à aposentadoria, ocasião em que voltou à advocacia, sendo nomeado em 1894 pelo Governado Catarinense Hercílio Luz, para defender Santa Catarina na questão de limites com o Estado do Paraná.

    Faleceu em 11 de março de 1907, sem assistir ao desfecho da questão Contestada, mas deixando como contribuição, além de uma brilhante atuação nos tribunais, a obra “Exposição Histórico-Jurídica por parte do Estado de Santa Catarina”, base da defesa catarinense e vital para o ganho da causa a que se dedicou.

    Leis curiosas

    Normas que não resistiram ao tempo

    A mudança do contexto sócio/tecnológico/cultural ocorrido naturalmente ao longo de mais de 90 anos fizeram com que normas do 1° Código de Posturas do Município, publicado em 1918 (já revogado, é claro!), assumissem, uma conotação “absurda” ou no mínimo “curiosa” aos olhos de um leitor nos dias de hoje. Vejamos alguns exemplos:

    - Nos caminhos dos cargueiros, as cancelas e portões que existirem serão construídos de modo que um cavaleiro possa abrir e fechá-los sem se apear.

    - É Proibido (à carroceiros e condutores): Proferir palavras obscenas em qualquer ocasião no seu trânsito pelas ruas da cidade ou povoação.

    - É Proibido: Colorir doces ou massas com anilinas.

    - É Proibido: Vender carnes depois das três horas da tarde no verão.

    - É Proibido: Fazer sambas e batuques, quaisquer que sejam as denominações, dentro das ruas da cidade ou povoações.

    Apesar de curiosas aos nossos olhos, essas normas representam um interessante recorte histórico, importante para a compreensão de nossa Mafra em seus primeiros anos, refletindo um pouco da mentalidade e organização da sociedade daquela época.

    Terra de todas as gentes

    Não é de hoje que o solo mafrense representa esperança de dias melhores a quem aqui fixa raízes. A busca de progresso pessoal que hoje move nossa população e representa o motor do próprio desenvolvimento do município, também alimentou os sonhos de centenas de pessoas que ao longo do tempo aqui se estabeleceram, buscando fazer daqui a base de um futuro promissor.

    Basta lembrar de nossas raízes étnicas, tropeiros, alemães, bucovinos, poloneses, ucranianos e tantos outras pessoas, povos de diferentes origens e culturas que optaram, cada qual por seus motivos, em aqui se estabelecer, aceitando enfrentar os desafios de sua época, com natural receio e medo, mas com coragem em encará-los e a certeza de que somente seriam superados com muito sacrifícios. Trabalho e esforço, tanto laboral quanto de sua própria capacidade de adaptação à nova realidade, o idioma, o clima, os costumes e com isso a própria aptidão e disposição de sociabilizar-se, integrar-se às demais pessoas, em conviver pacificamente e produtivamente, sabendo que isso era fator básico do próprio progresso e por conseqüência do município que escolheram.

    A herança desses povos, além de refletir-se fisicamente no semblante da nossa população e nas várias tradições cultuadas até hoje, também se reserva ao próprio espírito com que eles aceitaram e enfrentaram o desafio de viver aqui, uma forma de encarar a vida que também nos cabe ter como exemplo.

    Fonte: Jornal Gazeta de Riomafra / Click Riomafra

  • Mapa dinâmico

    Visualize as ruas de Mafra utilizando o mapa dinâmico.


  • Principais atrativos

    Clique aqui e confira a lista completa de atrativos da cidade de Mafra.

      Centro Paleontológico (CENPÁLEO) - Museu da Terra e da Vida
      Expõe fósseis e evidências geológicas sobre o que aconteceu no Sul do Brasil há cerca de 300 milhões de anos. Há acompanhamento de grupos em roteiros de campo, mediante agendamento prévio. O que significa a sigla “CENPÁLEO – UnC/Mafra”...
      Antiga Estação Ferroviária
      Atualmente o prédio abriga a Secretaria de Ação Social de Mafra.
      2ª Rota de Turismo Rural de Mafra
      A 2ª Rota de Turismo Rural surgiu da iniciativa dos membros do COMTUR (Conselho Municipal de Turismo) de Mafra, para levar o turista a um passeio pela história do município, apreciando sua cultura, religiosidade e gastronomia colonial. O roteiro...
      Cine Teatro Emacite
      Histórico Em 1940, José Rauen idealizou um projeto para a construção de um complexo constituído por Hotel, Cinema e Restaurante na cidade de Mafra, cujo objetivo principal era a exploração do comércio cinematográfico e teatral. Tal complexo, a Empresa...
      Rádio Nova Era
      Com sede em Mafra, a Rádio Nova Era FM (104,5 MHz) completou 26 anos em 2012. Fundada em 30 de agosto de 1986, a emissora atualmente abrange a região sul do Paraná e norte de Santa Catarina, mantendo uma...
      Usina do São Lourenço
      Inaugurada em 1914, esta pequena hidrelétrica ainda está em funcionamento. No local há um lago e cascatas naturais.
      Universidade do Contestado
      A Universidade do Contestado tem esta designação em homenagem à sua região de abrangência e à convicção do seu povo. Uma instituição que nasceu nas suas comunidades, para ofertar a educação superior, com o objetivo de contribuir para o...
      Ponte Metálica Dr. Diniz Assis Henning
      Inaugurada em 22 de novembro de 1896, ligando as margens do rio Negro que após a Questão do Contestado formou dois municípios, Rio Negro – PR e Mafra – SC. É popularmente conhecida com “Ponte Metálica”. A montagem da...
      Ponte Coronel Rodrigo Ajace
      Inaugurada em 21 de fevereiro de 1969, sua construção se deu devido ao aumento de fluxo viário entre as duas cidades facilitando o acesso que se fazia necessário.
      Estrada Vila Ruthes
      Leva até a casa do artesão Meinrad Horn, que trabalhava com palha. Pelo caminho estão a cachoeira da fábrica de papel e uma ponte férrea, utilizada para a prática de rapel.
  • Clique aqui e saiba onde se hospedar.

    Clique aqui e confira a lista completa de lugares para alimentação.

  • Prefeitura Municipal da cidade de Mafra

    Prefeito: Wellington Bielecki

    Vice: Vicente Bezerra Saliba

  • Lista de prefeitos da cidade de Mafra

    Caro usuário, o conteúdo solicitado será inserido em breve no portal. Agradecemos pela compreensão.

  • Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Mafra

    Câmara Municipal de Vereadores da cidade de Mafra (Foto: Miguel Luiz)

    SEDE

    Através do Decreto-Legislativo nº 03/01, de 29 de junho de 2001, o então presidente da Câmara Municipal de Mafra, Ver. Amurity Damas da Silveira autorizou a mudança do local de funcionamento da Câmara.

    A Câmara Municipal de Mafra ocupava imóvel destinado originalmente á Casa da Cultura e por desejo do Executivo foi transferido para este local o Departamento de Cultura do município e o tombamento do prédio.

    Deste então a Câmara funciona no primeiro andar do prédio da Secretaria Municipal de Educação, localizado à Avenida Coronel José Severiano Maia, em Mafra. A mudança para este prédio permitiu melhores e mais condizentes acomodações para o Poder Legislativo, sem que isso implicasse em altos custos.

    ENDEREÇO

    Avenida Coronel José Severiano Maia, 441 – Centro – Mafra/SC – CEP 89300-000

    SITE OFICIAL

    Através do Site oficial da Câmara de Vereadores de Mafra é possível acompanhar as atividades dos vereadores, ler notícias, ouvir áudios das sessões e entrar em contato através da ouvidoria. Acesse: www.camaramafra.sc.gov.br

    CONTATOS

    Telefone: (47) 3642-0825 / Ouvidoria: www.camaramafra.sc.gov.br/ouvidoria

    PLENÁRIO “ALAUMI MATHIAS DOS SANTOS”

    Foto: Plenário Alaumi Mathias dos Santos (Divulgação/Site oficial da Câmara)

    No dia 07 de dezembro de 2004 foi realizada uma sessão solene para denominação do Plenário, sala das sessões da Câmara Municipal de Mafra.

    Durante a 14ª Legislatura foi feita uma homenagem ao saudoso vereador denominando o Plenário da Câmara com o nome de Alaumi Mathias dos Santos, através de Decreto-Legislativo, com intuito de perpetuar a sua atuação como vereador em quatro Legislaturas. O ato representou a vontade dos 13 vereadores atuantes naquela Legislatura.

    Esteve presente na solenidade a esposa do ex-vereador, Senhora Maria de Lourdes dos Santos, que descerrou a placa situada na entrada do Plenário, onde oficializou a denominação.

    Alaumi Mathias dos Santos, figura humana de enaltecidas qualidades, aflorava em sua maneira de ser um apego visceral a terra mafrense, além de possuir uma maneira especial no trato com seus semelhantes, notadamente os menos favorecidos. Era um baluarte na defesa dos interesses dos mais fracos. Iniciou sua militância no extinto MDB, como político comportava-se com elevado senso de equipe, cônscio de suas responsabilidades e atribuições, nivelava-se sempre pela democracia, companheirismo e fidelidade partidária.

    Ocupou seus espaços com ética, honestidade e muito trabalho. Seu desprendimento e elevado espírito público fizeram de sua maneira simples, mas cordial, sua marca registrada, passando para os anais da gloriosa história do município de Mafra.

    Sua trajetória de vida ficou como exemplo de um mafrense, que na companhia de outras ilustres figuras escreveram uma história, e no Plenário Celestial estão a olhar pelo progresso e desenvolvimento de Mafra e bem estar de sua gente.

    Fonte: Assessoria de Imprensa da Câmara de Vereadores de Mafra / Site oficial

  • Atuais vereadores da cidade de Mafra

    Abel Bicheski (PR)

    Edenilson Schelbauer (PSDB)

    Eder Gielgen (PMDB)

    Erlon Rivail Veiga (PRB)

    Hebert Gilso Werka (PR)

    João Acir Petters Padilha (PPS)

    Luis Alfredo Nader (PSD)

    Marcia Cristiane Nassif (PSD)

    Marise Valerio Braz de Oliveira (PMDB)

    Vicente de Paulo Bezerra Saliba (PDT)

Informações de Rio Negro e Mafra em um só lugar.
Copyright © Guia Riomafra. Todos os direitos reservados.